Páginas

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Resposta de Carl G. Jung para Bill W. co-fundador de Alcoólicos Anônimos

Caro Sr. Bill W. 

Sua carta tem sido muito bem-vinda.


Não tive mais notícias de Rowland H. e muitas vezes desejei conhecer o seu destino. Nossa conversa que ele fielmente lhe transmitiu teve um aspecto que ele não soube. A razão que eu não poderia dizer-lhe tudo foi que naquela época eu tinha que ser excessivamente cuidadoso com o que dizia. Eu havia descoberto que estava sendo mal interpretado de todas as formas possíveis. Por isso estive tão cuidadoso quando falei com Rowland H. Mas o que eu realmente pensei foi o resultado de muitas experiências com homens desse tipo.



Seu desejo por álcool era o equivalente, em um nível baixo, da sede espiritual do nosso ser pela totalidade, expressa em linguagem medieval.: A união com Deus *



Como se poderia formular um tal insight em uma linguagem que não seja mal interpretada por outros? 


O único caminho certo e legítimo para tal experiência é que isso acontece com você, na realidade, e isso só pode acontecer com você, quando você anda em um caminho que leva a uma maior compreensão. Você pode ser levado a esse objetivo por um ato de graça ou por meio de um contato pessoal e honesto com os amigos, ou através de um ensino superior da mente para além dos limites do mero racionalismo. Vejo pela sua carta que Rowland H. escolheu a segunda maneira, que era, nas circunstâncias, obviamente, o melhor.

Estou firmemente convencido de que o princípio do mal prevalecente no mundo conduz à necessidade espiritual não reconhecida para à perdição, se não for combatido tanto por verdadeiro insight religioso ou pela parede protetora da comunidade humana. Um homem comum, não protegido por uma ação de cima e isolado na sociedade, não pode resistir ao poder do mal, que é chamado muito apropriadamente de Diabo. Mas o uso de tais palavras desperta tantos erros que só podemos nos manter afastados delas, tanto quanto possível.

Estas são as razões pelas quais eu não poderia dar uma explicação cabal e suficiente para Rowland Hazard, mas estou arriscando-a com você, porque eu concluir em sua carta muito decente e honesta, que você tenha adquirido um ponto de vista acima das banalidades enganosas que normalmente se ouve sobre alcoolismo. 

Veja, "álcool" em latim é "spiritus" e você usar a mesma palavra para a maior experiência religiosa, bem como para o veneno mais depravador. Por conseguinte, a fórmula é útil: spiritum contra spiritus.

Agradecendo-lhe novamente por sua amável carta.

Eu permaneço 
Atenciosamente

CG Jung *

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sejam todos bem-vindos com suas colaborações de qualquer natureza, excetuando tudo que infrinja as regras do bem proceder. Lembramos sempre que nenhum dos seus membros fala "em nome de" A.A., mas, no máximo, "de" A.A. As opiniões dos alcoólicos recuperados baseiam-se sempre na propriedade de suas experiências pessoais.